IRMÃOS. VOLTAMOS A ATUALIZAR ESTE BLOG.

.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

LITURGIA DA MISSA

L I T U R G I A


Introdução:

A palavra liturgia significa originalmente, obra pública:

· A serviço do povo

· Em favor do povo

Na tradição cristã ela quer significar que o povo de Deus toma parte na obra de Deus .

Pela liturgia, Cristo (redentor e sumo sacerdote) continua presente na sua Igreja atuante na obra de nossa salvação.

No Novo Testamento Liturgia significa:

· Celebração do culto divino

· Anúncio do Evangelho

A Liturgia é obra de Cristo, ( FAZEI ISSO PARA CELEBRAR A MINHA MEMÓRIA... Lc 22,20) e é uma ação da Igreja. Ela realiza e manifesta a Igreja como sinal visível da comunhão entre Deus e os homens através de Cristo.

Implica uma participação : a) consciente b) ativa c) frutuosa de todos nós.

A liturgia deve ser precedida pela:

· Evangelização

·

· Conversão

A liturgia produz frutos na vida dos fiéis:

· A vida nova segundo o Espírito

· Compromisso com a missão da Igreja

· O serviço da sua unidade

A catequese está ligada a toda ação Litúrgica e sacramental

No sacramento da Eucaristia Jesus age em plenitude para a transformação dos homens.

A catequese litúrgica parte do visível para chegar ao invisível. (mistagogia)

A LITURGIA DA MISSA

INTRODUÇÃO Os católicos são convidados a participar da Missa todo os domingos. Muitas vezes não compreendem o significado da Missa e deixam de participar, ou então ficam aborrecidos com o tempo de duração da celebração. Outras pessoas, por causa disso, acabam indo à missa por pura obrigação.

O coração da Missa é o oferecimento de Jesus a seu Pai. O amor de Deus para com todos nós é tão grande que Ele enviou seu Filho Jesus Cristo para ser a sua presença no meio de nós.

E Jesus nos amou tanto que, além de dar a sua vida por nós, Ele também quis ser o nosso alimento.

Ao aproximar-se da hora de sua morte, Jesus reuniu os seus discípulos para celebrar a Páscoa dos Judeus, para lembrar, juntamente com os discípulos, as maravilhas que Deus fez em favor do seu povo.

Durante a Ceia Jesus pegou um pão, o abençoou e disse: “TOMAI E COMEI TODOS VÓS: ISTO É O MEU CORPO”. Partiu o pão e deu um pedaço a cada um dos apóstolos. Estes, então, pela primeira vez, receberam a Eucaristia.

No final da ceia Ele fez o mesmo o vinho, dizendo: ”TOMAI E BEBEI TODOS VÓS: ISTO É MEU SANGUE...” A Missa é a renovação da ceia de Quinta-feira santa e a renovação do sacrifício de Jesus na cruz.

Na última Ceia Cristo falou de seu Corpo e de seu Sangue que seriam entregues por todos nós. No altar se renova o sacrifício de Cristo.

A Missa. é, pois, uma refeição de irmãos que se reúnem para se alimentar da vida de Cristo, com tudo o que essa vida significa. A mesa, o alimento, a toalha, falam de uma refeição. Somos pessoas que precisam de alimento para continuar a caminhada.

A MISSA COMO SACRIFÍCIO

A missa é o sacrifício de Cristo porque nela lembramos sua vida, seus ensinamentos; participamos do seu sacrifício, recebendo o próprio Cristo.

Cristo, usando a pessoa do padre, é que oferece o sacrifício ( a missa). Cada missa atualiza," re-apresenta" o sacrifício de Cristo e toda a sua vida. Por isso, a oração mais importante que pode haver é a missa. É Cristo que se oferece ao Pai e nós nos oferecemos com Ele.

É por isso que a missa é um sacrifício. Porque ela torna presente o sacrifício de Cristo . Por sacrifício entendemos: o oferecimento de uma vítima, que geralmente era um cordeiro, que era morto e consumido pelo fogo. Na missa, a vítima é Jesus, que é oferecido ( no ofertório). Jesus é vítima e sacerdote. O padre é apenas instrumento. Na missa Jesus não morre. A sua morte é atualizada na missa, isto é, é mais do que relembrada. O fato é tornado presente, Cristo na hóstia. Na missa, a vítima,(Cristo) é consumida ( comida por nós na comunhão). É indispensável participar bem da missa. Acompanhando as orações e cantos, não me distraindo nem distraindo os outros, comungando ( para isso é preciso estar preparado), e levando a missa para casa, para o trabalho, para a escola, etc.

Quando o padre repete o que Jesus mandou na hora da consagração, a hóstia se torna Jesus vivo. Isso acontece porque Jesus disse. " Eu sou o pão descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente...

Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna... ... permanece em mim e eu nele" ( Jo 6, 51.54.56).

"O que come a minha carne, e bebe o meu sangue, tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente comida, e o meu sangue é verdadeiramente bebida. O que come a minha carne, e bebe o meu sangue, fica em mim e eu nele... ...o que comer a mim viverá por mim... ( Jo 6, 48.59)

Jesus disse ainda na última ceia: "Isto é o meu corpo... ...Este é o cálice do meu sangue" Por isso é que cremos. A hóstia consagrada é Jesus inteiro: corpo, sangue, alma e divindade.

· Na missa recebemos a eucaristia que é sinal de comunhão entre os irmãos.

· Na missa celebramos a vida com suas alegrias, tristezas e esperanças.

· É na missa que Deus vem ao nosso encontro e nós vamos até Ele, pelo Cristo na pessoa de sacerdote.

· Falamos com Cristo (pelas preces, cantos e gestos) e Jesus nos fala pela sua palavra ( através das leituras )

· Unimo-nos numa só fé, num só ideal: cultuar nosso Deus.

· Nós damos a Jesus o que somos e temos (ofertório) e jesus nos dá o seu Corpo e Sangue, pão e vinho consagrados pelo sacerdote.

· Jesus age em nós fazendo aumentar o nosso amor e nossa fé. Ao sair da missa, recomeça a nossa missão de. Nele, agimos fazendo o bem, dando exemplo, amando, denunciando e evangelizando.

· Na missa nós nos reconciliamos com Deus.

· Sentimo-nos mais unidos, mais irmãos.

· Escutamos os ensinamentos de Deus.

· Louvamos, falamos com Deus, pedimos perdão e força, prometemos se melhor, abraçamos o irmão, cantamos, agradecemos, pedimos várias coisas.

· Recebemos a presença especial de jesus ressuscitado.

· Preparamo-nos para ajudar Jesus a construir um mundo melhor.

· A missa é uma oração comunitária

ORAÇÃO

Orar, ou rezar, é conversar com Deus, Podemos fazer isso a qualquer hora, e em qualquer lugar, porque Deus é onipresente, isto é, Ele está em toda parte. Por isso vê tudo que eu faço, até mesmo o que eu penso. Quem disse que nós devemos rezar foi o próprio Jesus. Ele nos deu o exemplo, pois rezava: de manhã, à noite , às refeições, na sinagoga (igreja) . Suas orações eram sempre inventadas na hora, eram espontâneas.

Quando Jesus rezava:

n De noite: ( Lc.6,12) Na montanha, Ele passou a noite toda rezando...

n De manhã: ( Mc.1,35) Ao amanhecer foi rezar a sós...

n Nas alegrias, agradecendo: (Lc. 10,21) "Eu te louvo, Pai porque escondestes estas coisas dos sábios e as revelastes aos pequeninos..."

n Na tristeza: ( Lc.22,41) "Pai... afasta de mim este cálice..."

n Pedindo: ( Lc.23,34 e Jo.17) "...Pai perdoai-lhes porque não sabem o que fazem..."

Jesus nos ensinou a rezar porque Ele conhecia como ninguém a natureza humana, suas fraquezas e suas limitações. Se por um lado nós pecamos diariamente, podemos contar sempre com o perdão de Deus pois Ele é amor. Da mesma forma, se somos limitados e dependentes, mas unidos a Deus pela oração, nossa coragem aumenta, nossos problemas serão facilmente solucionados. Tem gente que só reza quando a "coisa fica preta". Só se lembram de Deus na hora do apuro: do sequestro, do incêndio, da morte, etc.

O próprio Jesus que era Deus rezou para nos dar o exemplo. Sendo Deus , Ele não precisava rezar, mas quis nos ensinar que sem Deus não somos nada, e que precisamos pedir sempre a sua força, sua proteção nos perigos, etc.

Podemos e devemos rezar todo instante. Para isso, basta elevar o nosso pensamento a Deus.

Os principais momentos em que precisamos falar com Deus, são: Ao levantar, nas horas de perigos, nas horas de alegrias (agradecendo), às refeições, na Igreja, e antes de dormir, ou a qualquer hora.

Jesus nos ensinou a rezar com : Fé, confiança, humildade, com insistência.

Podemos inventar as nossas próprias orações, falando com Deus do nosso jeito. Esse tipo de conversa com Deus, se chama: Oração espontânea ou informal. E também podemos pronunciar ou ler as orações que foram feitas por outras pessoas, como os salmos, o credo, o pai nosso, etc. A esse tipo de oração foi dado o nome de oração formal.

A MISSA PARTE POR PARTE

O verdadeiro alimento é Cristo - A EUCARISTIA. Para que possamos participar melhor da Celebração da EUCARISTIA (SANTA MISSA), vamos refletir um pouco em cada parte desata Liturgia.

Acolhimento - O acolhimento no início da Missa deve ser feito num clima de amizade e de festa pelo reencontro com os lrmãos.

CANTO DE ENTRADA: Canto de entrada - É a nossa primeira expressão de alegria por este Encontro. Pode-se fazer uma procissão de entrada para significar a nossa caminhada do dia-a-dia na vida de trabalho, passando pelas ruas, fábricas, lazeres. Nossa vida na família... lembrará a nossa caminhada, seguindo a Cristo a "caminho para a Casa do Pai".

Ao iniciar, cantamos alegres por estarmos reunidos com os irmãos na casa do Pai.

SAUDAÇÃO: Depois de beijar o altar o Sacerdote recebe todos cumprimentando em nome das três pessoas da Santíssima Trindade: PAI, FILHO, ESPÍRITO SANTO.

ATO PENITENCIAL: - Logo no começo da Celebração o padre nos convida para reconhecermos as nossas culpas para que a Santa Missa seja dignamente celebrada. Depois de um Instante de silêncio o padre nos convida para nos arrependermos dos nossos pecados, rezando o ato de contrição.

Isto porque quando amamos alguém de verdade, é necessário ir ao seu encontro sem mágoa. Por isso pedimos perdão de nossas faltas. O Ato Penitencial nos convida a dar uma parada e ver onde pecamos e no que precisamos mudar de vida.

HINO DE LOUVOR: - O Evangelho de Lucas nos diz que por ocasião do nascimento de Jesus, os anjos do Senhor entoaram um hino de louvor e agradecimento a Deus com estas palavras: "Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade". O Glória na Missa é também um hino de louvor e agradecimento a Deus. Colocamo-nos diante do Pai, dizendo: "Nós vos louvamos, nós vos bendizemos, nós vos adoramos, nós vos damos graças por vossa imensa glória.. É por isso que depois de pedir perdão, junto e diante de toda a Comunidade, estamos em condições de glorificar a Deus e o fazemos no Hino de Louvor, com alegria.

ORAÇÃO DA COLETA - O padre faz uma oração em nome da Igreja reunida pedindo a Deus por Jesus Cristo na unidade do Espírito Santo, pela vida da comunidade.

LITURGIA DA PALAVRA

As duas partes principais da Missa são: Liturgia da Palavra e Liturgia Eucarística.

Na Liturgia da Palavra entramos em contato com as riquezas da Palavra de Deus. Através das leituras, explicadas pela homilia ou sermão, Deus se dirige a seu povo, revelando-lhe o mistério da Redenção e da Salvação e oferecendo-lhe o alimento espiritual. O próprio Cristo está, por sua Palavra, presente no nosso meio.

RITO DA PALAVRA: Até agora Deus nos ouviu. É nossa vez de ouvi-lO nas três leituras tiradas da Bíblia, Intercaladas pelo SALMO DE MEDITAÇÃO e ACLAMAÇÃO

DO EVANGELHO. A Palavra de Deus transforma a nossa vida. E as leituras vão nos mostrar que Deus sempre está presente no seu povo. Fomos acolhidos, recebemos o perdão, ouvimos a palavra de Deus, e o celebrante explica as leituras na HOMILIA. Vamos sintetizar tudo isso, rezando o CREDO. Que contém as verdades fundamentais da nossa fé, rezar e explicar o Credo.

CREDO: Credo - Terminada a homilia, todos os participantes se levantam para rezar o Credo. O Credo é o resumo da nossa fé cristã.

ORAÇÃO DOS FIÉIS: Depois do Credo os cristãos, juntamente com o padre, fazem as preces comunitárias, pedindo a Deus pelas necessidades da Igreja, de todo povo de Deus. Toda a comunidade faz os pedidos. conforme suas necessidades. Rezamos também pelos governantes, pelos que sofrem, pelo mundo inteiro.

OFERTÓRIO: O homem que reflete e pensa em Deus, como nosso Cria dor, sente necessidade de oferecer-se a Ele. Neste momento do ofertório, o cristão faz este oferecimento juntamente com o Sacrifício de Cristo. Os cristãos então trazem ao altar suas próprias vidas, simbolizadas no pão e no vinho. É a hora de colocar sobre o altar toda nossa vida para ser consagrada. Por isso, não pode ser oferta só de dinheiro, mas da vida, para recebermos forças na luta do dia-a-dia. O padre oferece a Deus tudo o que é colocado sobre o altar.

PREFÁCIO: Qual o sentido do prefácio? É um cântico de ação de graças recitado pelo Padre. Em nome de todo o povo de Deus, o Padre glorifica ao Pai, dando-lhe graças por toda obra da salvação. No final, os cristãos rezam ou cantam o SANTO como resposta da assembléia. Todos reconhecem a grandeza de Deus: Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus do universo...

ORAÇÃO EUCARÍSTICA: Terminado o Ofertório começa uma parte importantíssima da Missa que vai do prefácio até o momento em que o padre ergue o cálice e a hóstia e diz: "por Cristo, com Cristo, em Cristo... - ao qual o povo responde: Amém.

Na Liturgia da Palavra o povo foi esclarecido e alimentado pela Mensagem viva de Deus, dando sua resposta com cantos de salmos, aclamações e mesmo meditando em silêncio em cada frase que ouviu de Deus. Ouvindo a explicação da Palavra pela homilia, o cristão professa a sua fé, rezando o Credo. Depois, então, se inicia o Sacrifício Eucarístico. Pelos dons e as graças que Deus nos dá, é necessário que manifestemos o nosso agradecimento oferecendo a Ele, também, um presente. O sacrifício de Cristo é o verdadeiro presente que será oferecido sob as formas visíveis do pão e do vinho. Esta preparação do sacrifício chama-se OFERTÓRIO, que quer dizer "oferecer" "apresentar". Orai Irmãos é convite do Padre à oração de todos. Ele pede que todos rezem para que o sacrifício seja aceito. Todos, de pé, respondem: - Receba o Senhor por tuas mãos este Sacrifício, para a glória de seu nome, para o nosso bem e de toda Igreja.

Através da Prece Eucarística, com pedidos particulares, a Igreja invoca o poder divino para que sejam consagrados os dons oferecidos pelos homens. Pede que esses dons oferecidos se tornem o Corpo e o Sangue de Cristo. Em seguida, vem a narrativa da Instituição da Eucaristia rea- lizada na última Ceia.

Intercessão pelos vivos e falecidos - Há neste mo mento pedidos pelos vivos e pelos mortos. A Igreja toda está presente: o Papa. os Bispos e todos os cristãos e não cristãos.

Na ORAÇÃO EUCARÍSTICA é transformado o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Cristo. Tudo o que vimos e ouvimos é transformado na Eucaristia, e recordamos o momento em que Cristo deu a sua vida por nós. Ele está presente sobre o altar, não o vemos, mas sabemos pela fé. A oração POR CRISTO, COM CRISTO E EM CRISTO, resume este ato da fé. Ao pronunciarmos o AMÉM, queremos dizer que aceitamos tudo, com amor e gratidão.

PAI NOSSO: A oração que Jesus nos ensinou e é a mais completa das orações. Essa oração nos torna irmãos e vem de encontro a toda nossa vida. Pai Nosso e Abraço da Paz- A Comunhão do Corpo e do Sangue do Senhor é outro momento importante da celebração eucarística. A comunidade reunida se vê fortalecida com a presença real do Senhor Jesus que se torna alimento.

Antes da aproximação à mesa da comunhão é necessária uma preparação. O padre convida todos os participantes para rezar a oração que o próprio Cristo nos ensinou: o PAI NOSSO. Aprendemos nesta oração a chamar Deus de Pai e sentir que todas as pessoas são nossas irmãs.

De uns tempos para cá, a Liturgia colocou o Abraço da Paz. A paz é Cristo presente em nós. E tendo esta paz de Cristo em nossos corações devemos manifestá-la aos irmãos. A Eucaristia tem uma grande e importante dimensão A COMUNITÁRIA.

ORAÇÃO PELA IGREJA: Oração da UNIDADE. Igreja Santa e Pecadora. Movida pela Graça de Deus, age em nós pela Fé. (Jo 17).

SAUDAÇÃO DA PAZ: Desejamos a paz do Cristo. E só Cristo pode, realmente, nos dar a paz.

CORDEIRO DE DEUS: Pedimos três vezes que tenha piedade de nós, para frisar bem que só Deus tira os pecados do mundo e o quanto precisamos de perdão. Não somos dignos, mas Jesus quer nos per- doar e ficar conosco.

COMUNHÃO: Um dos mais importantes momentos de nossas celebrações eucarísticas é o da comunhão do Corpo e do Sangue do Senhor. É o momento em que os convidados ao banquete se aproximam, fraternalmente, da mesa. Momento de profundo respeito e de intimidade pelo encontro do homem com o Cristo vivo. A mesa está posta e o alimento preparado. Somos convidados a participar da Comunhão com toda a humanidade que sofre e também se alegra, porque CRISTO é ponto de UNIDADE dos que NELE crêem. E esta união deve acompanhar-nos até nossas famílias, vizinhos e colegas de escola e trabalho, como sinal da vida e unidade. Após recebermos Cristo vivo na Eucaristia, devemos voltar para o nosso lugar, e, de joelhos, de olhos fechados (para não se distrair), pedir o que mais precisamos a Deus, com toda fé que temos, pedir pelos outros, e, acima de tudo, não esquecer de agradecer por tudo que temos recebido.

ORAÇÕES FINAIS: No final da celebração, depois de uma oração, o padre saúda o povo desejando que o Senhor esteja com todos. Segue-se então a bênção final. "Abençoe-vos Deus Todo-Poderoso, Pai, Filho e Espfrito Santo". Amém.

DESPEDIDA: Ao despedir-nos, devemos estar cheios da graça de Deus. O Sacerdote diz: "Vamos em paz e que o Senhor nos acompanhe", e nos abençoa em nome da Santíssima Trindade. Respondemos: AMÉM. Mas na verdade a Missa não termina, ela continua durante a semana.

Podemos notar que no começo e fim da Missa o padre invoca a proteção da SANTISSIMA TRINDADE. Vemos assim que a Missa, além de ser Bíblica, contém todo o Mistério da nossa fé e salvação.

A MISSA TERMINOU:- ou melhor, a Missa continua, por que ela não é um ato isolado na vida do cristão. Durante a semana o cristão tenta viver o mistério de Cristo na sua própria vida. Tenta viver a união com os seus ir

mãos, através de uma vida de ajuda mútua, de uma vida de caridade. Tenta alimentar sua união com Cristo através da oração e da luta contra as tentações e contra o pecado.

Vivendo o Sacramento Eucarístico dado para a vida do mundo, o cristão deve colocar-se a serviço do homem para, em união com Cristo, construir um mundo novo na justiça e na fraternidade.

SIMBOLOS LITÚRGICOS

ALTAR - O Altar representa a MESA DO SENHOR, que Jesus com seus discípulos usaram para celebrar a Ceia na quinta-feira santa no Cenáculo, em Jerusalém. Na mesa Jesus colocou o seu martírio forma de pão e vinho como alimento para todos.

HÓSTlAS - Grande: É grande para que possa ser vIsta pelos participantes, quando o padre a apresenta após a consagração e na hora da comunhão e diz: "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo..

- Pequenas: (ou partículas) As hóstias que são com- sagradas para a comunhão dos fiéis.

CÁLICE - É um dos objetos mais importantes usados na Celebração Eucarística. Nele se deposita o vinho que vai ser consagrado. Portanto, depois da Consagração, contém o Sangue do Senhor.

PATENA - É um pequeno prato bem raso. Recebe o pão para o oferecimento, no ofertório.

ÂMBULA - Um cálice com tampa para as hóstias consagradas a serem distribuídas aos fiéis e para guardar as hóstias consagradas no sacrário após a Missa.

SANGUÍNEO - Paninho branco que o Celebrante utiliza para enxugar o interior do cálice.

PALA - Um quadrado pequeno de cartolina coberta de pano branco e que serve para cobrir o cálice.

GALHETAS - Duas pequenas garrafinhas para o vinho e a água.

MANUSTÉRGIO - Toalha usada pelo Sacerdote para enxugar as mãos, na celebração.

CORPORAL - É uma espécie de toalhinha quadrada que fica no centro do altar. Chama-se corporal porque sobre ele se coloca a HOSTIA CONSAGRADA, que é o Corpo de Cristo.

VELAS - As velas têm valor simbólico. Significam a Luz da Fé que nós cristãos recebemos do Crísto no Batismo. Cristo é a luz do mundo.

CRUCIFIXO - É um objeto importante na Celebração Eucarística, porque recorda o Sacrifício Redentor de Jesus que não pode ser separado da Ceia.

ÁGUA - Deve ser natural na liturgia. O Sacerdote usa para lavar as mãos e coloca uma gota (d'água) no cálice no momento do ofertório.

VINHO - Deve ser puro, de uva. Será transformado no sangue de Cristo.

TÚNICA - Como oficiante do Culto Divino, aquele que fica à frente, o Sacerdote (o padre) coloca vestes próprias que o distinguem das outras pessoas da celebração.

ESTOLA - É uma faixa colocada ao pescoço e separada da túnica. Ela significa o poder e a autoridade do sacerdote. A cor da estola acompanha o tempo litúrgico. Existem quatro cores: branca, verde, vermelha e roxa.

Por exemplo: no tempo do Advento e da Quaresma a cor da estola é roxa em sinal de penitência.

TOALHA - Deve cobrir toda a mesa.

FLORES - Para ornamentar o altar. Podem ser colocadas entre as velas.

BIBLIA - PALAVRA DE DEUS PARA TRANSFORMAR A NOSSA VIDA. Por ela, temos conhecimento da necessidade de participarmos da Missa

CORES LITÚRGICAS

As cores também nos ajudam a perceber ou entender uma realidade que nos é transmitida. Por exemplo: o roxo nos lembra hematomas, sofrimento, etc..

O branco lembra limpeza, pureza, alegria.;

O vermelho nos lembra perigo, amor (sangue dos mártires), etc.;

O verde remete nosso pensamento para a vegetação, para a es- perança, etc.;

O rosa lembra a flor do mesmo nome, um ramalhete, uma fes- ta.. Justamente por remeterem nosso pensamento a outras realidades, a liturgia utiliza-se de cores para entendermos o sentido 'de cada tempo ou festa litúrgica.

O Roxo é usado no Advento, Quaresma e nas Exéquias.

O Branco é usado no Tempo Pascal, Tempo do Natal e nas solenidades e festas do Senhor (Corpus Christi, SS Trindade, etc.) e de Nossa Senhora (Natividade, Aparecida, etc.).

O Vermelho é usado nos domingos de Ramos e Pentecostes, Sexta-feifa santa e festa dos santos mártires.

O Verde é usado no Tempo Comum.

O Rosa é opcional e pode ser usado no 3º Domingo do Advento e no 4o. Domingo da Quaresma.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário